II. PASSADO, PRESENTE E FUTURO DO INVESTIMENTO SOCIAL

7. Cenário orçamentário do Investimento Social, à luz das ações de enfrentamento à COVID-19

Com o impacto orçamentário que a COVID-19 trouxe ao setor privado, a Rede BISC apresentou duas características de alocação de recursos: (I) recursos disponíveis no orçamento da organização em 2020 realocados de outras iniciativas e (II) recursos adicionais não previstos. Analisando apenas o tipo de iniciativa, pode-se dizer que há certo equilíbrio entre I e II uma vez que cada uma apareceu, enquanto ações, em 50% das empresas, respectivamente. Contudo, o valor monetário presente em I e II é bastante divergente, na medida em 91% do volume total de recursos alocado nas ações de enfrentamento à COVID-19 advém de recursos adicionais não previstos (II), enquanto aqueles que já se encontravam disponíveis e sofreram realocação, correspondem a 4%. Em suma, mesmo que os tipos de ação (realocação de recursos e novos recursos) tenham sido realizados em igual medida, o volume de recursos de cada uma é diametralmente oposto.

 

8. Perspectivas orçamentárias de 2021

Segundo a Rede BISC, entre 2020 e 2021 há uma estimativa de queda de 59%, se considerarmos o valor de bens e serviços. Se não considerarmos esse valor, a perspectiva de queda cai para 51%. De toda a forma, essa informação revela o papel emergencial dos investimentos sociais privados nas ações de mitigação dos impactos negativos da pandemia e a leitura, pela maior parte da Rede BISC, de que esses recursos foram, de fato, excepcionalmente disponibilizados. Desta forma, a redução sobre o orçamento corrente é a expectativa predominante (90%) da Rede BISC em 2021, sendo que a maioria delas (60%) teve como expectativa uma redução superior a 25%, tendo em vista os orçamentos já compostos e as previsões internas.

Vale observar, separadamente institutos/fundações e empresas na dinâmica 2020-2021. Ainda que ambos tenham tido perspectiva de redução nos orçamentos, nos institutos/fundações a previsão de “redução orçamentária entre 2% e 25%” se pronunciou em 43% das organizações – ao passo que 17% das empresas fizeram o mesmo movimento. Paralelamente, 67% das empresas apresentaram previsão de redução superior a 25% – igualmente, 43% dos institutos/fundações enquadram-se no grupo de reduções mais significativas.

 

9. O futuro dos investimentos sociais corporativos

Quando questionados sobre as perspectivas para investimento social nos próximos dois anos, a maior parte da Rede BISC mostrou otimismo, ainda que o cenário econômico esteja desfavorável no presente. Assim, 42% espera aumentar os valores investidos atualmente nos próximos dois anos (2022 e 2023).

Sem comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Newsletter

Insira seu e-mail e receba conteúdo sobre o campo do investimento social corporativo!

Nossas redes

_

A COMUNITAS

A Comunitas é uma organização da sociedade civil especializada em modelar e implementar parcerias sustentáveis entre os setores público e privado, gerando maior impacto do investimento social, com foco na melhoria dos serviços públicos e, consequentemente, da vida da população.

Exceto onde indicado de outra forma, todos os conteúdos disponibilizados neste website estão licenciados com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional

Copyright 2021. All Rights Reserved.

Desenvolvido por MySystem