I. A EVOLUÇÃO DOS INVESTIMENTOS SOCIAIS

1. Tendência dos investimentos sociais da Rede BISC

Os investimentos sociais corporativos em 2020 foram marcados, majoritariamente, pelas ações de enfrentamento à COVID-19. As empresas reforçaram seu papel social e de apoio ao interesse público, mobilizando esforços e recursos em busca de atenuar os impactos sociais, econômicos e de saúde pública causados pela pandemia. Desta forma, em 2020 as empresas investiram R$ 5 bilhões, o que representa um aumento maior que 95%, em relação à 2019.

Destes R$ 5,0 bilhões, 47% dos investimentos sociais corporativos foram alocados exclusivamente em ações de enfrentamento à COVID-19, ou seja, cerca de R$ 2,4 bilhões. Portanto, pode-se dizer que o ano de 2020 foi um outlier no que se refere à série histórica da pesquisa. Sem os recursos exclusivos direcionados à pandemia, o aumento em relação a 2019 seria de 3%, mesmo em um período com cenário econômico desfavorável.

2. Trajetória dos investimentos realizados pelas empresas e por seus institutos

As empresas e institutos/fundações demonstraram comportamentos distintos. O crescimento dos investimentos sociais dos institutos/fundações seguiu a tendência de aumento e subiu 11% em relação a 2019. Diferentemente, as empresas que vinham apresentando reduções no período 2015-2018, e voltaram ao patamar dos institutos em 2019, em 2020 mais do que dobraram os investimentos sociais, com um aumento de 114% em relação ao ano anterior.

OBS: esta série histórica não considera os valores alocados em bens e serviços.

Desconsiderando os recursos destinados ao enfrentamento à COVID-19, as empresas investiram cerca de 13% a mais do que os institutos em 2020, e 8% a mais do que em 2019. Neste mesmo cenário, os institutos apresentaram uma queda de 9% nos investimentos sociais em 2020, quando comparados com 2019.

3. Composição dos investimentos sociais na Rede BISC

 O enfrentamento à pandemia, refletiu na distribuição dos investimentos sociais. Houve um aumento de 4 p.p na participação da empresa na composição dos recursos financeiros alocados, ao passo que os institutos tiveram uma queda de 20 p.p.. Esse comportamento não chega a surpreender considerando a maior estabilidade orçamentária dos institutos que, historicamente, demonstram estarem menos sujeitos às variações conjunturais. As empresas, portanto, lograram ampliar significativamente   seus recursos, dedicando-os à mitigação dos impactos sociais da COVID-19, ao passo que os institutos mantiveram e/ou ressignificaram seus orçamentos às ações emergenciais. Algo a ser destacado é o aumento considerável e inédito na série histórica do BISC, da participação dos bens e serviços na composição dos ISC.

4. Percentual de empresas que ampliaram ou reduziram seus investimentos sociais, entre 2019 e 2020

Entre 2019 e 2020, quase a totalidade da Rede BISC ampliou seus investimentos sociais (92%). A maioria dos institutos ampliou seus investimentos (63%), ainda que a participação dessas organizações no ISC total tenha caído, em detrimento do grande volume de recursos aplicados pelas empresas – conforme mencionado no item 3 deste capítulo. Isoladamente, as empresas apresentaram uma ampliação 80% em relação a 2019.

5. Proporção dos investimentos sociais na receita e nos lucros das empresas

Em 2020 todos os indicadores de desempenho do investimento social, com base na realidade financeira da Rede BISC, apresentaram grande recuperação quando comparados a 2019 – naquele ano, particularmente os indicadores que relacionam o total investido social ao lucro bruto (LB) e ao lucro líquido (LL) acusaram forte queda, sendo os menores de todo o período analisado pelo BISC. Essa melhoria de desempenho do investimento social acompanhou a melhora no desempenho financeiro das organizações, mesmo no cenário pandêmico. Ainda que essa recuperação tenha ocorrido, não há espaço para acomodação, isso porquê, à exemplo, a mediana da proporção dos investimentos sociais no lucro bruto de 2020 (0,91%), nosso principal indicador de benchmarking internacional, retornou aos patamares de 2015 e 2017.

6. Benchmarking Internacional

A proporção do lucro bruto (LB) destinada aos projetos sociais tem sido utilizada, pelo BISC e pelo CECP, para comparar o padrão dos investimentos sociais no Brasil e nos Estados Unidos. Desde 2007, os resultados observados revelam que na maior parte desse período o padrão brasileiro esteve empatado, ou na frente, do norte americano.

No ano de 2020 a Rede BISC apresentou melhora no desempenho deste indicador (0,91%), em relação a 2019 (0,53%), equiparando-se novamente aos padrões internacionais (0,90%). Oscilações na conjuntura econômica brasileira ajudam a entender a alta variação deste indicador ano a ano.

Sem comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Newsletter

Insira seu e-mail e receba conteúdo sobre o campo do investimento social corporativo!

Nossas redes

_

A COMUNITAS

A Comunitas é uma organização da sociedade civil especializada em modelar e implementar parcerias sustentáveis entre os setores público e privado, gerando maior impacto do investimento social, com foco na melhoria dos serviços públicos e, consequentemente, da vida da população.

Exceto onde indicado de outra forma, todos os conteúdos disponibilizados neste website estão licenciados com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional

Copyright 2021. All Rights Reserved.

Desenvolvido por MySystem