Comunitas participa de lançamento de publicação do IDIS sobre estratégias para alavancar o investimento social privado

Patricia Loyola, Diretora de Gestão e Investimento Social da Comunitas, destacou o papel estratégico que o ISP pode ter na Agenda ESG na frentes de transparência e indicadores

Crédito da Imagem: Acervo Comunitas

Na última quarta (12), a Diretora de Gestão e Investimento Social da Comunitas, Patricia Loyola, participou, como palestrante convidada, no painel “Aliados da Agenda ESG: transparência, métricas e comunicação”. A discussão ocorreu no evento de lançamento da publicação do Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social (IDIS) intitulada “Investimento Social Privado: Estratégias que Alavancam a Agenda ESG”, que contou com o apoio técnico da Comunitas.

Em um contexto de crescimento e consolidação de regulamentações de reporte e práticas ESG, o painel teve o objetivo de debater as fragilidades ainda presentes em relatos do Investimento Social Privado e do próprio ‘S do ESG’ em geral, eixo que é comumente reconhecido como o mais difícil de ser monitorado e reportado pelas empresas

Loyola citou estudos recentes que mostram as inconsistências que diferentes estruturas ESG possuem entre si no modo como rotulam, descrevem e organizam aspectos sociais. Foi mostrado que a dimensão ‘S’ é a menos compreendida ou bem definida por essas estruturas de mercado, gerando fortes discrepâncias na cobertura de aspectos sociais e divergências entre diferentes padrões de reporte, índices e ratings. 

Ademais, Loyola destacou que uma das principais agendas do BISC tem sido, justamente, a defesa de uma maior padronização nos reportes relacionados ao ISP para que o tema possa evoluir no país e contribuir com a agenda de parametrização de aspectos ESG. 

“Na discussão sobre ESG, enfrentamos desafios consideráveis na mensuração e rotulação dos indicadores sociais. Observamos que, tanto em estudos internacionais quanto na nossa própria experiência, medir e reportar indicadores sociais é particularmente complexo. Isso é corroborado por uma pesquisa do CECP [Chief Executive for Corporate Purposes], onde mais de 50% das empresas relataram dificuldades nessa área”, contextualiza Loyola, emendando: 

“No Brasil, importamos muitos problemas do cenário internacional, incluindo a inconsistência nos parâmetros de medição social em frameworks ESG. O olhar europeu, por exemplo, destaca essas dificuldades de consistência e é fundamental que integremos essa perspectiva em nossa análise. Precisamos enfrentar esses desafios, pois somos parte de uma comunidade global que busca melhorar a transparência e a comunicação em ESG”, concluiu ela.

Sobre o evento

O evento teve como objetivo apresentar os principais achados da publicação, discutir as primeiras reações de empresas e representantes da sociedade civil organizada, além de promover um debate sobre a relevância da transparência para o avanço das agendas do ISP e ESG.

Para isso, foram realizados dois painéis, que também contaram com a participação da Gerente de Relações do Itaú, Luciana Campos; do Secretário-geral do Grupo de Institutos Fundações e Empresas (GIFE), Cássio França; da Gerente Sênior de Gestão de Conhecimento e Parcerias na Pacto Global da ONU (Rede Brasil), Christiane Cralcev; do Diretor de Projetos do IDIS, Marcos Alexandre Manoel;  do Diretor de Inclusão, Diversidade e Sustentabilidade, Corporativa da PwC Brasil, Renato Sousa; da Gerente de Relacionamento Institucional do Pacto de  Promoção de Equidade Racial, Nalva Moura e da Gerente Sr. de Monitoramento e  Avaliação do IDIS, Denise Carvalho. 

Sobre a publicação

O estudo do IDIS teve o objetivo de responder questionamentos como “de que forma as práticas de ISP e cidadania corporativa se correlacionam com a performance em sustentabilidade empresarial? Há mesmo uma sinergia entre o ISP e a Agenda ESG”?  Dessa forma, foram analisadas as informações referentes a ISP no Índice de Sustentabilidade  Empresarial da Bolsa de Valores do Brasil (ISE-B3) para o triênio de 2022-2024. 

A análise indica que empresas com bom desempenho em ISP geralmente obtêm melhores resultados em sustentabilidade empresarial. Além disso, demonstra a relação positiva entre boas práticas de investimento social privado e maior performance em sustentabilidade, oferecendo um mapa estratégico para guiar a atuação empresarial.

Outros achados dão conta de que:

  • A correlação entre Investimento Social Privado (ISP) e sustentabilidade empresarial é alta e manteve-se entre as dez mais importantes no triênio 2022-2024.
  • A atuação empresarial por meio de um veículo filantrópico influencia as práticas de investimento social privado, desde que bem conectado aos compromissos da empresa.
  • O olhar atento aos diferentes stakeholders e valorização do protagonismo local da sociedade civil são importantes.
  • Setores como Transporte, Eletricidade & Gás e Financeiro apresentam o maior desempenho mediano tanto no ISE-B3 geral quanto em ISP.

O BISC colaborou de forma técnica com o estudo do IDIS, atuando como ponto focal e acompanhando o desenvolvimento do material desde suas concepções iniciais. Além disso, o BISC contribuiu com o artigo “Indicadores de ISP são estratégicos para fortalecer agenda do desenvolvimento sustentável”, em que defende o grande potencial que indicadores de Investimento Social Privado (ISP) possuem para apoiar o desenvolvimento de parâmetros do “S” do ESG.

O texto também destaca que o ISP confere robustez e consistência à sustentabilidade empresarial, permitindo que as empresas enfrentem os desafios sociais. Além disso, o ISP desempenha um papel estratégico na construção de indicadores “S” sólidos, que aprimoram as atividades realizadas e fortalecem a legitimidade da agenda de sustentabilidade corporativa.

Quer saber mais? Baixe a publicação do IDIS aqui

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação / 5. Número de votos:

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Lamentamos que este post não tenha sido útil para você!

Vamos melhorar este post!

Diga-nos, como podemos melhorar este post?

Sem comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Newsletter

Insira seu e-mail e receba conteúdo sobre o campo do investimento social corporativo!

Nossas redes

_

A COMUNITAS

A Comunitas é uma organização da sociedade civil especializada em modelar e implementar parcerias sustentáveis entre os setores público e privado, gerando maior impacto do investimento social, com foco na melhoria dos serviços públicos e, consequentemente, da vida da população.

Exceto onde indicado de outra forma, todos os conteúdos disponibilizados neste website estão licenciados com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional

Copyright 2024. All Rights Reserved.

Desenvolvido por MySystem