Bolsa brasileira lança o primeiro índice latino-americano composto por empresas que se destacam quanto à diversidade de gênero e raça

IDIVERSA B3 é o décimo índice da família de indicadores ESG da B3

*Texto escrito por Regina Esteves, diretora-presidente da Comunitas

É irrefutável que temos que falar em políticas públicas quando tratamos de
mudanças, de transformação, de desigualdade. Mas as melhorias e as boas
notícias também podem e devem vir do setor privado, do mundo corporativo e
do investimento social. E às vezes elas chegam. Como aconteceu nessa semana,
com a criação de um novo índice da B3 que reúne 75 empresas que se destacam
em diversidade no Brasil.

Primeiro do tipo em toda a América Latina, o IDIVERSA B3 leva em conta
informações relacionadas à raça e gênero em seu quadro de colaboradores. Foi
criado para promover maior representatividade de grupos sub-representados no
mercado e para reforçar a estratégia de liderar a agenda ESG. É o décimo índice
da família de indicadores ESG da B3.

O índice passou a valer nesta terça-feira (15), com uma carteira contendo 79
ativos de 75 empresas, abrangendo dez setores econômicos. Para a sua
construção foram coletados dados públicos disponíveis no Formulário de
Referência (FRe), já que o documento é um requisito anual para empresas de
capital aberto.

Talvez não seja uma má hora para lembrar de um estudo feito pelo ID_BR
(Instituto Identidades do Brasil) sobre o impacto da diversidade no mercado de
trabalho, que já mostrava um aumento na produtividade das empresas entre
2010 e 2019. De acordo com o levantamento, para cada 10% de aumento na
diversidade étnico-racial, observou-se um incremento de quase 4% na
produtividade das empresas. Além disso, para cada 10% de elevação da
diversidade de gênero, verificou-se um acréscimo de quase 5% na produtividade
das empresas.

O ganho em produtividade se dá devido aos seguintes fatores:

  • melhorias no nível de bem-estar predominante entre as pessoas na
    organização;
  • composição de quadros com competências e habilidades mais
    diversificadas;
  • melhorias no clima organizacional que atuam na potencialização da
    performance dos/as profissionais;
    declínio do turnover, ou seja, da rotatividade de profissionais nos times
    das empresas;

O levantamento já chamava a atenção para o fato de que os esforços e
investimentos das empresas em prol da diversidade e inclusão podem fazer
grande diferença não somente para uma sociedade mais justa e equitativa, mas
também na otimização da performance mercadológica das organizações em um
sistema econômico que se mostra cada vez mais competitivo e dinâmico, o que
só se reforça com a criação do novo índice.

Que o IDIVERSA prospere. Que cumpra seu objetivo de se tornar uma outra
forma de a B3 incentivar empresas a promover melhores práticas e de fornecer
produtos inovadores que as incentivem a avançar em direção à
representatividade!

Quer saber mais sobre investimento social? Assine a nossa Newsletter!

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação / 5. Número de votos:

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Lamentamos que este post não tenha sido útil para você!

Vamos melhorar este post!

Diga-nos, como podemos melhorar este post?

Sem comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Newsletter

Insira seu e-mail e receba conteúdo sobre o campo do investimento social corporativo!

Nossas redes

_

A COMUNITAS

A Comunitas é uma organização da sociedade civil especializada em modelar e implementar parcerias sustentáveis entre os setores público e privado, gerando maior impacto do investimento social, com foco na melhoria dos serviços públicos e, consequentemente, da vida da população.

Exceto onde indicado de outra forma, todos os conteúdos disponibilizados neste website estão licenciados com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional

Copyright 2023. All Rights Reserved.

Desenvolvido por MySystem