A importância do setor privado para a preservação da Amazônia

No dia 05 de setembro é celebrado o Dia da Amazônia. A data, que foi instituída no calendário nacional em 2007, surgiu com o objetivo de reafirmar a importância da floresta tropical não só para o Brasil, como para o mundo, além de conscientizar sobre a urgência da preservação desse bioma. 

Apesar de sua relevância, as diversas atividades predatórias colocam em risco a existência da floresta amazônica. A maior alta do desmatamento dos últimos 15 anos, inclusive, tem reduzido a capacidade da Amazônia de reter o dióxido de carbono na atmosfera e, em alguns casos, várias áreas da mata podem até estar liberando mais gases causadores do efeito estufa do que conseguem armazenar, contribuindo para o aquecimento global. 

O cenário do desenvolvimento e da sustentabilidade do bioma amazônico tem preocupado inúmeras lideranças, tanto a nível global quanto nacional, sendo os esforços destes últimos direcionados à Amazônia Legal. Isso porque há o reconhecimento do papel e da importância da Amazônia para a diversidade cultural, a biodiversidade e o equilíbrio climático a nível mundial.

O movimento ESG e as metas “race to zero”, que grandes corporações e fundos de investimento têm encabeçado, precisam convergir com a Amazônia. O setor privado brasileiro tem um relevante papel na região, que é tão importante para o mundo e para a economia do país. 

A foto mostra uma paisagem de florestas verdes e rios ao pôr do sol

Crédito da imagem: Freepik

Importância dos setores público e privado para o desenvolvimento sustentável da Amazônia

A preservação do bioma amazônico, portanto, é fundamental para a continuidade da vida no planeta. E a sua importância  impacta diretamente o mundo dos negócios. O setor empresarial brasileiro chegou a enviar um manifesto para o governo federal, em 2020, em que cobrava uma atuação mais assertiva no combate ao desmatamento.

O desmatamento não é bom para os negócios e nem para a economia brasileira. Isso porque os maiores consumidores das commodities, como a União Europeia, já sinalizaram que não vão consumir produtos brasileiros que estejam vinculados ao desmatamento.  

É extremamente importante pensar em ações que, além do setor privado e da sociedade civil, possam, também, envolver o Poder Público, com o objetivo de reduzir a emissão de gases do efeito estufa. Afinal, é do uso da terra, do desmatamento e da agropecuária que vêm 70% das emissões de carbono no Brasil. 

De acordo com o INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), o Brasil desmatou cerca de 13 mil km² apenas em 2021 e, até maio deste ano, já tinha desmatado mais quase 3 mil km². 

A corrida para conter as mudanças climáticas possivelmente irá ditar os rumos da economia global nos próximos 20 anos. E o Brasil, que poderia tomar a dianteira nessa corrida por abrigar a maior parte da maior floresta do mundo, tem ficado na “lanterna” do campeonato.

Em cerca de uma década (entre 2005 e 2015), o Brasil foi um dos países que mais reduziu emissões de carbono no mundo, apenas pelo expediente de fortalecer as políticas públicas de combate ao desmatamento. A partir disso, o país passou a atrair investimentos estrangeiros em diversos setores, em especial no que se refere ao Fundo Amazônia, que recebia aportes bilionários de países como a Noruega e a Alemanha. 

Dados dos investimentos sociais corporativos na região

De acordo com a 14ª edição do Benchmarking do Investimento Social Corporativo (BISC), pesquisa publicada anualmente pela Comunitas com o intuito de orientar empresas e/ou seus institutos e fundações na gestão da responsabilidade social, com foco na ampliação da qualidade e do impacto do investimento social corporativo, é inegável que as comunidades locais e indígenas possuem papel central no uso sustentável e na conservação da biodiversidade amazônica, possuindo conhecimento único sobre os sistemas agrícolas, aquáticos e agroflorestais. Portanto, mesmo a situação sendo crítica, há um importante potencial para a mudança, na qual o setor privado tem condições de exercer um papel de protagonista.

Por meio dos respondentes da pesquisa, o BISC mapeou que em 2020 foram alocados, pelo menos, R$ 28 milhões em recursos na região da Amazônia Legal, dos quais 42% são provenientes de incentivos fiscais. Nesse mesmo sentido, quando questionados sobre o comportamento dos investimentos na região nos últimos três anos (2018 a 2020), 40% deles indicaram crescimento/fortalecimento da atuação empresarial localmente.

Outro ponto importante a se destacar é que, de  69% das empresas que possuem algum tipo de atividade econômica na região da Amazônia Legal, 62% da Rede BISC possuem investimentos socioambientais. E destes 69%, 50% informam que o compromisso com a região amazônica está formalmente inserido na estratégia de atuação da organização.

Desenvolvimento + preservação da Amazônia: é possível?

Para desenvolver uma estratégia de atuação social na região, é necessário levar em consideração as dimensões social, ambiental e econômica, bem como respeitar as peculiaridades territoriais deste bioma brasileiro e suas respectivas necessidades. Ao se pesar todos esses fatores, a intervenção local pode ser mais assertiva. 

Nesse sentido, os dados levantados pelo BISC revelam que, em 2020, a maior parte dos investimentos sociais das empresas foi nas áreas de desenvolvimento local/territorial/comunitário de base, com 86%, e assistência e desenvolvimento social/combate à pobreza e fome, com 57%. Essas atividades são relacionadas às “ações específicas”.

Os institutos e fundações também atuam nessa frente, uma vez que 67% se refere à área de trabalho, empreendedorismo e geração de renda. Ademais, os institutos marcam presença, majoritariamente, na área de educação (67%), ligada às “ações estruturantes”. No que se refere à cultura, há uma participação modesta, na medida em que 43% das empresas e 17% dos institutos e fundações atuam nesta agenda na Amazônia Legal, relativa às “ações transversais”.

Confira mais informações sobre as áreas de atuação social da Rede BISC no gráfico abaixo: 

A arte mostra um gráfico das ações sociais implementadas pelas empresas da Rede BISC na região da Amazônia Legal

Crédito da imagem: Pesquisa BISC

Em termos gerais, é possível inferir que a maior agenda de atuação da Rede BISC na Amazônia Legal é a de desenvolvimento local/territorial/comunitário/de base (78%), seguido de áreas sociais, como geração de renda (56%) e educação (56%). 

Estratégias de atuação das empresas na Amazônia Legal 

O fortalecimento de organizações, grupos e comunidades se configura como a estratégia de atuação com maior incidência da Rede BISC, 80% das empresas e 67% dos institutos e fundações. Ainda assim, o direcionamento estratégico entre eles é distinto em outros casos. 

As empresas investem energia em ações de mobilização (40%), no atendimento direto ao público-alvo dos projetos/programas (40%), bem como no apoio e/ou fomento às cooperativas e associações de manejo e beneficiamento de produtos da floresta (40%). 

Enquanto isso, os institutos e fundações se dedicam ao ensino e à capacitação de crianças, jovens e membros das comunidades (67%), à articulação e ao fortalecimento de redes (50%) e ao apoio no desenvolvimento de políticas públicas (50%). 

Confira mais no gráfico abaixo:

 

A arte mostra um gráfica da estratégia de atuação social das empresas da Rede BISC na região da Amazônia

Crédito da imagem: Pesquisa BISC 2021

Quer saber mais sobre os investimentos sociais corporativos no Brasil? Acesse a pesquisa BISC 2021 e tenha acesso aos dados completos!

Sem comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Newsletter

Insira seu e-mail e receba conteúdo sobre o campo do investimento social corporativo!

Nossas redes

_

A COMUNITAS

A Comunitas é uma organização da sociedade civil especializada em modelar e implementar parcerias sustentáveis entre os setores público e privado, gerando maior impacto do investimento social, com foco na melhoria dos serviços públicos e, consequentemente, da vida da população.

Exceto onde indicado de outra forma, todos os conteúdos disponibilizados neste website estão licenciados com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional

Copyright 2022. All Rights Reserved.

Desenvolvido por MySystem